Terapia com ela - atravessar a dor



Parei para olhar-me. Era uma foto recente, sem filtro, sem retoques, sem maquilhagem, o sorriso estava rasgado e o olhar iluminado. Dei por mim a agradecer-me por ter tido a coragem de atravessar a minha dor.


Em tempos, procurei resolver a vida inteira sozinha, antes de aceitar ser ajudada, antes de me sentar aqui para que pensássemos juntas, para que você sentisse comigo toda a minha frustração, raiva e solidão. Por momentos desejei que a doutora pudesse sentir isso tudo por mim, desejei poder evacuar todas as minhas dores no seu colo e ir à minha vida mais leve, voltando de semana em semana para fazer tudo de novo.

 

Desculpe se não lhe dei espaço, se a tratei como se não tivesse o direito de existir e de ter uma palavra. Eu própria não tinha espaço dentro de mim. Precisava de falar, de falar e de falar. Precisava de falar o não-dito, de partilhar consigo os anos de silêncio, e confiei que simplesmente me pudesse escutar e compreender. Eu nem sei bem como e quando é que isto tudo começou; não me lembro de ter ficado assim... deprimida. Não lhe posso precisar um momento. Acho que me fui distraindo e  adoecendo aos poucos. 

 

Quando me apercebi, o abatimento passou a fazer parte da minha identidade, quase como aquela criança que na escola é a mais calada, a mais tímida, a mais introvertida e melancólica, que não dá trabalho nenhum. Sabe, desconfio sempre das pessoas que não dão muito trabalho e que fazem sempre tudo bem; desconfio do governo interno das crianças e dos adultos que se portam bem e especulo sobre o seu medo, sobre a ditadura, o perfeccionismo, a ordem, a falta de flexibilidade, de criatividade e de leveza do ser...

 

O excesso de passado na depressão não me deixava projetar o futuro. Hoje tenho espaço interno, até respiro melhor. Estava aqui a pensar que à medida que comecei a falar mais (com)sigo e não somente para si comecei a conhecer pessoas novas lá fora, pessoas diferentes. Acho que à medida que comecei a ter espaço para si, comecei a ter espaço para o outro e comecei a sentir prazer em fazer e em experimentar coisas novas. 


Sentir! 


Depois de desatar os nós que me ligavam por dentro às relações e sofrimento passados, comecei a sentir de novo e a ligar-me outra vez (e melhor) ao aqui-e-agora, ao presente. É tão libertador ter a coragem de sentir (sem medo, sem hesitações). Hoje, substituo a desconfiança pela curiosidade, pelo sonho, e vejo-me lá, no amanhã, junto de pessoas que como eu, tiveram a coragem de atravessar as dores da alma, para descobrir uma melhor versão de si mesmos. 

                                               

                                                (Clique aqui para mais informações sobre a origem destes textos)







No comments

Post a comment

© Chez Lili

This site uses cookies from Google to deliver its services - Click here for information.

Professional Blog Designs by pipdig